Visualizar praia em um mapa maior

quinta-feira, 28 de maio de 2015

A VIDA COMEÇOU NA REGIÃO DE AFAR, NO NORTE DA ETIÓPIA .

Em 1974, antropólogos encontraram na região de Afar, no norte da Etiópia, os restos de um hominídeo do sexo feminino que viveu entre 2,9 e 3,8 milhões de anos atrás. O achado foi denominado Australopithecus afarensis, ou, coloquialmente, "Lucy". Alguns cientistas a declararam "Mãe da Humanidade".
No entanto, há quatro anos, a apenas 50 quilômetros do local e de "Lucy", foram desencavados um maxilar, dentes e outros fragmentos fossilizados de pelo menos três outros indivíduos, datando de 3,3, a 3,5 milhões de anos. Os fósseis foram designados Australopithecus deyiremeda.
Yohannes Haile-Selassie, do Museu de História Natural de Cleveland, liderou o estudo dos achados cujos resultados foram publicados nesta quarta-feira (27/05) na revista Nature.
Segundo o paleoantropólogo, havia duas ou três espécies humanas primitivas vivendo na mesma época, em grande proximidade geográfica. O Homo sapiens, ou ser humano moderno, só apareceu há 200 mil anos, e o primeiro membro do gênero Homo, há 2,8 milhões de anos.
Parentesco próximo
Deyiremeda significa "parente próximo" no idioma do povo afar. Assim como "Lucy", o Australopithecus deyiremeda possuía características tanto humanas quanto simianas, e provavelmente representa um conjunto de ossos de um grupo mais amplo de candidatos à ascendência humana direta.
Os fósseis são bastante diferentes dos de "Lucy", os dentes têm tamanho, formato e espessura do esmalte distintos. O maxilar inferior mais robusto também leva os autores do estudo a concluírem que os hominídeos mantinham dietas diferentes.
Os pesquisadores estimaram a idade dos fósseis com base nas características radioativas do solo e em dados sobre as alterações no campo magnético da Terra, armazenadas no sedimento que contém ferro.
Reconstituição de "Lucy" por um escultor, no Museu de Ciência Natural de Houston © Fornecido por Deutsche Welle Reconstituição de "Lucy" por um escultor, no Museu de Ciência Natural de Houston
"Acho que é tempo de observarmos as fases mais antigas de nossa evolução com uma mente aberta e examinar cuidadosamente os indícios fossilizados atualmente disponíveis, em vez de imediatamente descartarmos os fósseis que não se encaixam nas hipóteses que mantemos há tanto tempo", propôs Haile-Selassie.
Embora ninguém duvide do parentesco próximo com o Australopithecus afarensis, no debate sobre a "maternidade" da espécie humana pelo menos uma voz contrária já se ergueu.
"Variações anatômicas são normais dentro de uma espécie biológica", declarou o evolucionista Tim White, da Universidade de Berkeley, Califórnia, num e-mail à agência de notícias Associated Press. Ele acredita que, na verdade, o atual achado pertença â espécie de Lucy. "Por isso é que tantos anúncios desse gênero são logo desmentidos", censurou.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário